Prelazia

Bispo responsável: Dom Erwin Krautler

Nascimento: 12/07/1939 -Koblach/ Áustria, ordenação

presbiteral: 03/07/1965 - Salzburg/ Áustria.

Sagrado bispo em 25/01/1981 - Altamira - Província

Eclesiástica Belém do Pará.

 

Endereço: Avenida João Pessoa, 1212 CEP 68371-040 - Centro, Altamira - Para - Brasil

 

Tel: 0055.0XX93.3515.1761 - Curia - 0055.0xx93.3515.2494

 

 

Características Gerais da Prelazia

A Prelazia do Xingu foi criada a 16/08/1934, pela Bula “Animarum Bonum Postulat” do Papa Pio XI, desmembrada da Arquidiocese de Belém do Pará e das então Prelazias de Santarém e Santíssima Conceição do Araguaia. Foi confiada pela Santa Sé aos cuidados da Congregação dos Missionários do Preciosíssimo Sangue de Cristo. 1º Administrador Apostólico: Dom Armando Bahlmann, OFM (1935). 2º Administrador Apostólico: Padre Clemente Geiger, CPPS (1935-1948). 1º Bispo Prelado: Dom Clemente Geiger, CPPS (1948 a 1971). 2º Bispo Prelado: Dom Eurico Krautler, CPPS (1971 a 1981).

 

Superfície: 368.086,0 KM²

População: 392.211 hab

Densidade Demográfica 1,1 hab/km² (baseado em dados do, IBGE - 2000)

 

 Mapa da Prelazia do Xingu

 

MunicípioS pertencentes: Altamira, Anapu, Bannach, Brasil Novo, Cumaru do Norte, Gurupá, Medicilândia, Ourilândia do Norte, Placas, Porto de Moz, São Félix do Xingu, Senador José Porfírio, Tucumã, Uruará, Vitória do Xingu.

 

A Prelazia do Xingu é formada por seis regiões pastorais:

Região Alto Xingu: Ourilândia do Norte, São Félix do Xingu e Tucumã;

Região Médio Xingu: Vitória e Souzel;

Região Baixo Xingu: Porto de Moz e Gurupá

Região Transamazônica Oeste: Brasil Novo, Medicilândia, Uruará e Placas;

Região Transamazônica Leste: Belo Monte e Anapu

Região de Altamira: Paróquia Sagrado Coração de Jesus, Áreas: Perpétuo Socorro e Imaculada Conceição

 

Os municípios de Cumaru do Norte e Bannach são atendidos pela Diocese de SS. Conceição do Araguaia.

 

A Prelazia possui três instâncias de decisão: Grande Assembléia do Povo de Deus no Xingu, Conselho de Pastoral e Coordenação de Pastoral.

 

 

CARTA COMPROMISSO

 

 

Paróquia São Francisco Xavier - Senador José Porfírio/Pa, 12 de novembro de 2017

A Igreja, povo de Deus, da Paróquia São Francisco Xavier, em diálogo com os movimentos sociais, entidades e órgãos públicos, procurando viver no Espírito do Ressuscitado, que é luz para nosso caminho e garantia de Vida em plenitude, reuniu-se durante os dias 10 a 12 de novembro de 2017, no Ramadão de São Benedito, no seminário da REPAM, respondendo assim, ao apelo de nosso Papa Francisco, para aprofundar sua Encíclica, LAUDATO SI’.

Acreditando na Luz que alimenta a esperança, mesmo quando se faz noite sobre o nosso solo sagrado, que está sendo ameaçado por grandes projetos, como: hidrelétricas, mineradoras, agronegócio e, extração ilegal de madeira e garimpos, que ocasionam um aumento populacional desordenado na cidade, provocando o êxodo rural, deslocamento forçado, aumento dos índices de violência urbana e no campo, contra indígenas e ribeirinhos, desemprego, prostituição e abuso sexual, tráfico humano, aumento do consumo de drogas e álcool, ausência de políticas públicas básicas e de qualidade, aumento do desmatamento, uso indiscriminado de agrotóxicos, morte cultural dos povos tradicionais, especialmente dos ribeirinhos, pescadores e extrativistas; invasão e grilagem de terras.

Denunciamos a ausência de políticas públicas do município à população indígena, ribeirinha, rural e urbana; extração ilegal de madeira, causadora da destruição da fauna, flora e recursos hídricos. E a implantação do projeto de mineração da empresa, Belo Sun, na volta grande do Xingu, distrito da Ilha da Fazenda e Ressaca, sem o devido esclarecimento da empresa e sem a adequada consulta à população da região do Médio Xingu.

Apesar destes males, mantemos viva a esperança e a coragem, porque reconhecemos, que o Senhor caminha conosco e nos orienta: “Não tenham medo!” Queremos ser uma “Igreja em saída”, discípula e missionária que vive e anuncia o Evangelho “derrubando muros e construindo pontes” neste solo sagrado.

São sinais desta construção de pontes: Agricultura Familiar; projetos agroecológicos e extrativistas (projeto quelônios Embaubal, recuperação do igarapé Nazaré); lutas e resistências dos povos e populações tradicionais (ribeirinhos, pescadores, agricultores e extrativistas), assim como a mobilização dos movimentos sociais e sindicais, e a atuação da juventude e das mulheres nas Comunidades Eclesiais de Base e na Educação.

Com a graça de Deus, renovamos nossos compromissos batismais e crismais, na defesa e promoção da vida, onde o amor e a paz semeados, tornam-se frutos da luta, resistência e conquista do povo souzelense que vê nas águas do majestoso Xingu, a esperança e o despertar à reflexão e à contemplação da criação divina em um louvor ao Deus da vida, que nos convoca, através da Encíclica LAUDATO SI’, a cuidar do nosso “SIRIMBABO” (Lar comum).

Diante disso nos comprometemos:

-Incentivar a agricultura familiar através de parceria com organismos e organizações com assistência técnica agrícola;

Ajudar as comunidades a elaborarem projetos de sustentabilidade;

Incentivar as comunidades a criação de pequenos animais,

Ajudar no fortalecimento da Casa Familiar Rural;

Realizar campanhas em parceria com outras entidades e organismos para recuperação de áreas degradadas;

Cobrar a implantação de políticas públicas voltadas ao agricultor/a;

Incentivar, reforçar e apoiar a criação e funcionamento do Conselho Municipal Rural;

Conquistar e garantir assentos da sociedade civil na composição dos conselhos municipais de controle social;

Apoiar e promover a Acessibilidade às pessoas especiais solicitando adequação dos ambientes para o livre acesso dessas pessoas;

Reivindicar a criação de áreas verdes;

Promover Espaço de convivência coletiva;

Garantir a convenção 169 da OIT para as comunidades tradicionais;

Reforçar, apoiar e garantir o Etnodesenvolvimento para os povos e comunidades tradicionais;

Propor a criação de parques ambientais desde a nascente do igarapé Nazaré/Redondo e seu entorno;

Reivindicar, reforçar e apoiar Projetos sociais, culturais e esportivos,

Apoiar o fortalecimento da medicina tradicional;

Incentivar as organizações e as comunidades a participar do Conselho Municipal de Meio Ambiente;

Propor a criação de Regras de uso do Igarapé Nazaré;

Apoiar, reforçar e realizar ações de recuperação das matas ciliares;

Propor a criação da disciplina de Educação Ambiental nas escolas de Educação Infantil , Ensino Fundamente e Ensino Médio;

Realizar campanhas de conscientização sobre o cuidado com o meio ambiente;

Realizar a conscientização e reivindicar programas sobre a coleta seletiva no município;

Propor, Apoiar e realizar ações de recuperação das margens dos Igarapés;

Esclarecer a população sobre os impactos do projeto de mineração Belo Sun no município e Região do Médio Xingu;

_Propor a revisão do plano diretor municipal;

Reivindicamos aos órgãos competentes:

Criação da Secretaria de Pesca;

Ordenamento fundiária;

Aplicação do Código de trânsito no município;

Plebiscito municipal para a escolha do nome do município;

Implantação de um Centro de convivência;

Criação de Casa de apoio para atendimento a população das áreas rurais e ribeirnhas;

Criação da Casa da Cultura;

Criação das leis de legalização dos bairros e perímetros urbanos;

Construção e manutenção de banheiros públicos;

Investimento em Segurança Pública;

Criação da Delegada da Mulher com local de atendimento especializado;

Fomentação do turismo, investindo na formação de profissionais,

Contratação de Médicos cirurgiões permanentes;

Implantação da Unidade Centro intensiva UCI e Unidade de Tratamento Intensivo – UTI Neonatal;

elaboração do Projeto de lei para a preservação das nascentes;

Construção da Rede de Tratamento do esgoto;

Instalação de Água encanada em toda a cidade;

Implantação do aterro sanitário.

Que o Deus da vida, pela intercessão de Nossa Senhora de Nazaré, Padroeira do Pará e do Xingu, e São Francisco Xavier, nosso padroeiro, derrame suas bênçãos sobre todo povo Souzelense, para que continue lutando e defendendo seus direitos à dignidade e à cidadania.

Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo.

Povo de Deus de Souzel.

PRELAZIA DO XINGU

ASSEMBLEIA DE AVALIAÇÃO DA AÇÃO EVANGELIZADORA DO POVO DE DEUS DO XINGU

Carta de Solidariedade aos Profissionais de Educação

e de Repúdio as gestões municipais e estadual

Nós, Povo de Deus do Xingu, em torno de 160 pessoas representativas das comunidades eclesiais de base reunidas junto com nosso bispo Dom João Muniz Alves, OFM, em nossa assembleia avaliativa de nossa ação pastoral evangelizadora, nos dias 16,17 a 18 de novembro de 2017, no Centro de Formação Bethânia, Altamira-PA, fiéis à missão profética e à prática libertadora de Jesus Cristo somos cientes do quão importante é a educação e a missão do educador na formação intelectual e cidadã de crianças, jovens e adultos.

Solidarizamo-nos com a situação dos profissionais em educação e dos servidores públicos concursados e contratados que vem sendo atacados nos seus direitos e no caráter alimentar de seus vencimentos. Repudiamos a ação das gestões municipais e estadual em relação a esses servidores dos municípios que constituem a Prelazia do Xingu (Anapu, Altamira, Brasil Novo, Medicilândia, Uruará, Placas, São Félix do Xingu, Tucumã, Ourilândia do Norte, Gurupá, Porto de Moz, Vitória do Xingu, Senador José Porfírio) que enfrentam a seguinte situação:

  • Reformulação de Planos de Carreira com a retirada de direitos conquistados a duras lutas, de modo a ferir a Constituição Federal, a LDB (9.394/96) e demais Resoluções do Conselho Nacional de Educação, causando redução salarial e desvalorização do profissional da educação.

  • A interrupção antecipada dos contratos, seja dos profissionais do magistério, seja dos servidores de apoio à educação (vigias, serventes, entre outros), e em alguns casos a modificação desse contrato de modo a reduzir a carga horária e por consequência os vencimentos dos trabalhadores de forma inesperada, além da redução do 13º agora proporcional (fevereiro a novembro), traz abalos financeiros a dezenas de famílias. Sem contar que com os distratos e o fim do ano letivo ser antecipado, ferido está o direito dos alunos aos 200 dias letivos constantes na LDB. Há casos de municípios em que a contratação é de 12 meses e recebem apenas os salários correspondentes a 10meses, onde ficam os salários de dezembro e janeiro e o 13º previsto por lei?

  • A ausência de concurso público na maioria dos Municípios há anos gera insegurança jurídica ao trabalhador que vive sem vínculo efetivo e são usados politicamente em épocas de campanha. Assim, a decisão dos gestores municipais de demissão dos contratados até dezembro de 2017, ou antes disto, sem previsão de recontratação, gera sempre um risco de termos centenas de profissionais desempregados em nossa região do Xingu e da Transamazônica.

  • A precariedade e insegurança do transporte escolar para condução dos alunos e a merenda escolar muitas vezes não estão adequados às normas estabelecidas pela Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional. Muitas vezes falta merenda ou são armazenadas de maneira inadequada não possuindo em alguns casos o caráter nutricional para um aluno em fase de crescimento;

  • O remanejamento compulsório de profissionais em educação corresponde a meros interesses políticos em vez de atender ao interesse público;

  • Há ameaça de extinção Sistema Modular de Ensino (SOME) para a implantação de programas de Sistema Integrado de Educação ao Ensino Médio, onde o professor será substituído por aulas televisionadas acompanhadas por simples monitores;

  • A preocupação dos pais, professores e alunos de Ensino Médio com o sistema excludente de seleção para inclusão de jovens nas universidades através do ENEM, que tem levado muitos jovens ao risco da depressão e a não oportunidade de cursar um ensino superior, em especial os jovens de famílias de baixa renda, pois não são totalmente contemplados com o sistema de cotas;

  • A situação desrespeitosa do gestor estadual e gestores municipais quando não repassam, não dão transparência quanto aos recursos próprios que devem aplicar na educação e não aplicam adequadamente os recursos destinados à educação nas respectivas rede de ensino fazendo com que os profissionais e educandos realizem o ensino-aprendizagem dentro de estruturas físicas e com materiais pedagógicos sucateados, onde professores em formação e graduados tem que executar outras funções como a de serviços gerais, confecção da merenda escolar e ainda ministrarem aulas ao mesmo tempo em processo multiseriado na Educação Fundamental e Educação Infantil nas escolas rurais e em certos lugares, também na área urbana;

Como cristãs e cristãos católicos comprometidos com a fé e a vida SOLICITAMOS que:

Os gestores das três esferas do governo eleitos pelo povo assumam conforme o juramento de posse e com dignidade as suas responsabilidades de gestão do bem comum e se comprometam a não violar a garantia dos direitos inalienáveis de seus munícipes e o respeito aos profissionais de educação que são os principais formadores de opinião de toda a sociedade. Que as autoridades Judiciais competentes para julgar as Ações inconstitucionais das gestões municipais e estadual julguem com justiça e exijam o respeito ao Estado de Direito e à Constituição; a um ensino de qualidade às crianças, aos jovens e aos adultos e; aos profissionais em educação de exercerem sua missão em meio a uma estrutura deficitária de modo a lhes garantir os direitos previstos na Lei de Diretrizes e Base da Educação e demais dispositivos legais vigentes no país.

Que as situações relatadas acima sejam revistas com urgência primordial. Reafirmamos aqui a nossa solidariedade a todos os profissionais em educação, servidores públicos em geral e a todas as famílias que serão e já foram atingidas se essas reivindicações não forem debatidas e solucionadas junto aos municipais da Transamazônica e Xingu. Exigirmos que os profissionais em educação tenham seus direitos adquiridos assegurados pelos gestores nos termos da lei.

Altamira Bethânia (PA),17 de novembro de 2017

Povo de Deus do Xingu


 

Embarcação naufraga entre as cidades de Porto de Moz e Senador José Porfírio com pelo menos 70 pessoas a bordo.

 

A embarcação Comandante Ribeiro que saiu da cidade de Santarém com destino a Vitória do Xingu ontem, dia 22 de Agosto, naufragou no rio Xingu por causa da forte ventania e da chuva forte que caiu em toda a região ontem a noite. Na embarcação estavam cerca de 70 pessoas a bordo e até o momento pelo menos 25 pessoas já foram resgatadas com vida e 10 corpos localizados.

 

A movimentação no porto da cidade de Vitória do Xingu é intensa. Muitos curiosos e familiares de passageiros que estavam na embarcação, estão em busca de informações sobre o naufrágio dessa madrugada. A prefeitura de Vitória do Xingu, já deslocou equipes de médicos e paramédicos para o local do acidente. Na cidade de Porto de Moz, o desespero de parentes de vítimas no porto, onde a todo momento chegam passageiros da embarcação que afundou. As vítimas estão sendo trazias em voadeiras que ajudam no resgate.

 

O acidente com a embarcação aconteceu em uma área denominada de Ponta Grande do Xingu, entre as cidades de Porto de Moz e Senador José Porfírio. Segundo a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, já foram encontrados sete corpos de vítimas do naufrágio. O navio Comandante Ribeiro saiu do município de Santarém, com cerca de 70 pessoas a bordo. A embarcação tinha escala nos municípios de Monte Alegre, Prainha e destino final em Vitória do Xingu. Poucas horas depois da tragédia, cerca de 25 vítimas do naufrágio chegaram à margem do rio com vida.

 

De acordo com a SEGUP (Secretaria de Segurança do Estado do Pará, trabalham no resgate das vítimas do naufrágio as Defesas Civis Municipais de Belém, Senador José Porfírio e Vitória do Xingu. A Polícia Civil já investiga as causa dessa tragédia. Equipes de Mergulhadores da Capital e aeronaves estão caminho para o Local para as buscas das Vítimas que estão desaparecidas.

 

Matéria: Glici Lima

Jornal Cidade Livre - Prelazia do Xingu

Imagens: Internet/ Pm/Bombeiros

 

 

Senhor, salvai o vosso povo e libertai-o”

(Salmo 27,9)

 

Reunidos em Belém, de 28 a 31 de agosto de 2017, nós, bispos do Regional Norte II da CNBB (Pará e Amapá) nos deparamos mais uma vez com a realidade preocupante em que os povos indígenas, quilombolas e outros grupos tradicionais se encontram. Apesar de inscritos na Constituição Federal de 1988 (Art. 231 e 232) os direitos indígenas estão seriamente ameaçados pela Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215/2000 que pretende passar a decisão final da demarcação de terras indígenas do Executivo para o Legislativo e a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 3239, que prevê a Lei do Marco Temporal para definir um limite de tempo para a ocupação e o reconhecimento de terras indígenas e questiona a existência dos territórios quilombolas.

 

Para favorecer o agronegócio, as empresas mineradores e os criadores de gado, grupos representados pela bancada ruralista no Congresso propõem a anulação ou diminuição de áreas tradicionalmente habitadas por povos indígenas e quilombolas e a abertura de Áreas de Conservação a empresas mineradoras. Projetos de mineração e agronegócio do jeito como vêm sendo implementados na Amazônia trazem consequências desastrosas e irreversíveis para o meio-ambiente e os povos que habitam essa região. O recente decreto presidencial sobre a extinção da Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca) emanado sem nenhuma consulta prévia dos povos diretamente atingidos como prevê a Constituição Federal é mais um golpe contra a Amazônia.

 

Como pastores da Amazônia não podemos nos calar diante dos desmandos governamentais e conclamamos a todos os homens e mulheres de boa vontade a se opor às contínuas investidas contra a Amazônia e seus povos “utilizando inclusive legítimos mecanismos de pressão, para que o governo cumpra o dever próprio e não-delegável de preservar o meio ambiente e os recursos naturais (...) do seu país, sem se vender a espúrios interesses locais ou internacionais” (LS 38).

 

Pedimos ao Senhor da Vida que salve os seus povos da extinção física e cultural e liberte a Amazônia da destruição e ruína.

 

Belém, 30 de agosto de 2017

Os bispos do Pará e Amapá.


 

 

O dia de Nossa Senhora de Fátima de 2017 foi marcado por um momento especial e importante à Região Pastoral de Altamira, porque foi instituída no território da Paróquia Nossa Senhora Imaculada Conceição a Área Pastoral Pe. Frederico Tschol numa celebração eucarística presidida por Dom João Muniz Alves, na Igreja de um dos novos reassentamentos urbanos, denominado JATOBÁ.

 

A criação desta nova área pastoral tem como objetivo um maior acompanhamento, assistência e presença missionária da Igreja em 4 bairros novos da cidade: Jatobá, Água Azul, Paixão de Cristo e Viena. Bairros esses que foram organizados para acolher os moradores das áreas de risco afetadas com os impactos da construção da Hidrelétrica de Belo Monte e que já estavam organizados em comunidades eclesiais de Base como Comunidade São João Batista (Baixado do Tufi) São Benedito (Aparecida), Nossa Senhora Aparecida (Peixaria) e Santa Maria de Matias (Açaizal) e parte dos Bairro Aparecida, Boa Esperança, Independente I e II.

 

Essa nova área pastoral está sob a responsabilidade e acompanhamento pastoral missionário da Congregação Verbo Divino através do Pe. Rudolvus Julius Oetpah, SVD e Pe. Patrick Francis Brennan, SVD e com a colaboração das irmãs Franciscanas da Penitência e Caridade Cristã.

 

A Área Pastoral recebeu o nome de Pe. Frederico Tschol em homenagem a esse grande missionário, visionário e de total dedicação ao serviço pastoral e social na região de Altamira de 1958 a 2016. E que retornou ao Pai em 16 de outubro de 2016.